Infanticídio

Vez por outra, chega ao nosso conhecimento a triste notícia de um recém-nascido encontrado, infelizmente, já sem vida em um terreno baldio ou numa lata de lixo. As manifestações comuns observadas nas pessoas são compatíveis e compreensíveis, ante a gravidade da ocorrência, considerando, ainda, que fatos dessa natureza, envolvendo crianças recém-nascidas, sempre mexem com a sensibilidade das pessoas.

Porém, devemos fugir do lugar comum das condenações peremptórias. Por isso convidamos você, leitor, para meditar um pouco, buscando auxílio na doutrina espírita que nos ajuda a  melhor compreender o que ocorre nesse fenômeno, denominado “infanticídio“, conhecido e estudado há bastante tempo e citado em diversas obras.

No Brasil, é tratado como crime e tem pena diminuída em relação ao crime de homicídio, vindo em dispositivo próprio do nosso Código Penal (art. 123). O fato-crime infanticídio considera-se ocorrido desde que seja praticado pela mãe sob influência do estado puerperal. Segundo estudiosos, a mãe nesse período, pelas mais diversas razões, pode apresentar comportamentos e atitudes semelhantes a quadros psicóticos, depressão e perturbação emocional acompanhada de rejeição ao filho recém nato, não suficiente, porém, para afastar sua responsabilidade, somente atenuá-la.

Observando o fato com as lentes da doutrina espírita e levando em conta a crença na reencarnação, a situação ganha contornos  muito mais complexos. Imagine-se, por hipótese, que, agravando o quadro puramente biológico decorrente do parto em si e o quadro psicológico e social da mãe (que normalmente não é dos mais fáceis), esteja ela a sofrer, por sintonia vibratória com o espírito reencarnante que traz em seu ventre, um mal-estar, uma repulsa sem explicação, decorrente de reminiscências de uma experiência dolorosa em vida anterior, que poderia já vir sentindo antes mesmo do parto. Complicado, não é? Pode ter sido o caso? Quem sabe?

Não pretendemos com isso justificar ou absolver ninguém, nem afirmar que a doutrina espírita tem explicação para tudo ou que tudo é reencarnação (se bem  que a reencarnação explica muita coisa). A doutrina espírita baseia-se na lógica e no bom-senso e esse exemplo que trouxemos serve para confirmar a máxima que Jesus procurou nos ensinar no caso da mulher acusada de adultério e que estava prestes a ser apedrejada. Evitemos os julgamentos apressados e definitivos e sejamos, antes de tudo, conscientes de que não estamos, e dificilmente estaremos, a par do que acontece no íntimo de cada criatura humana.

Nos resta, pois, orar pelos envolvidos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s