Não sobre a cabeça frágil de um único ser humano

Por Orson Peter Carrara – publicado em O Consolador

Referindo-se ao Controle Universal do Ensinamento dos Espíritos, no item II – Autoridade da Doutrina Espírita, na Introdução de O Evangelho segundo o Espiritismo, Allan Kardec destaca que “(…) Diante desse imponente acordo de todas as vozes do céu, que pode a opinião de um homem ou de um Espírito? Menos que a gota d´água que se confunde no oceano, menos que voz da criança, abafada pela tempestade. (…)”.

E continua com gravidade: “(…) A opinião universal, eis, pois, o juiz supremo, aquele que pronuncia em última instância; ela se forma de todas as opiniões individuais; se uma delas é verdadeira, não tem senão seu peso relativo na balança; se é falsa, não pode se impor sobre todas as outras. Nesse intenso concurso, as individualidades se apagam, e aí está um novo revés para o orgulho humano (…)”.

Em parágrafo anterior do mesmo texto, já havia a advertência: “(…) É diante desse poderoso tribunal ou assembleia, que não conhece nem os conciliábulos, nem as rivalidades invejosas, nem as seitas, nem as nações, que virão se quebrar todas as oposições, todas as ambições, todas as pretensões à supremacia individual; que nós mesmos nos destruiríamos se quiséssemos substituir esses decretos soberanos pelas nossas próprias ideias; só ele decidirá todas as questões litigiosas, fará calar as dissidências, e dará razão, ou não, a quem de direito (…)”.

Tais reflexões são de máxima importância diante de tantas opiniões divergentes sobre tão variados assuntos, bem refletindo a nossa imaturidade humana, especialmente quando também se tratando da prática e do movimento espírita. O raciocínio de Kardec está usado no texto para referir-se ao choque de ideias diante da revelação espírita, mas bem podemos usá-lo igualmente em nosso próprio âmbito interno, doutrinário, onde também se encontram o entrechoque das ideias e as divergências.

É que tais considerações estão exatamente tratando da útil questão do Controle Universal do Ensinamento dos Espíritos, indicando critério na análise e recepção de tudo o que vem dos Espíritos, onde vamos encontrar farto material para orientar nossas reflexões na aceitação ou rejeição das informações advindas do plano espiritual. Tratando-se de documento importantíssimo, norteador da prática espírita, é texto de estudo e consulta permanente, autêntico roteiro que garante estabilidade na prática espírita.

O hábito de “pular” a introdução dos livros faz o leitor perder muitas pérolas instrutivas, como a acima transcrita. A Introdução, Prefácio ou Apresentação de um livro são valiosos recursos de compreensão e não devem ser desprezados ou ignorados.

É o que ocorre com o que está contido na Introdução de O Evangelho segundo o Espiritismo, onde se encontram referidos textos.  Nos subtítulos apresentados por Kardec, como Objetivo da Obra, Autoridade da Doutrina Espírita, Notícias Históricas e Sócrates e Platão, apresentados como precursores da ideia cristã e do Espiritismo, o leitor atento encontra farto material para estudos e reflexões, facilitando, como não poderia deixar de ser, o entendimento da obra em seu conjunto e mesmo os fundamentos do Espiritismo.

Embora referindo-se ao que vem dos Espíritos, como pode perceber e sabe o leitor, o mesmo texto pode ser aplicado a nós mesmos, os encarnados, nas velhas dissidências e tolas vaidades das opiniões pessoais. Nossas opiniões e pontos de vistas são muito frágeis e sujeitas a instabilidades de expressão.

Por isso é sempre importante lembrar que a opinião universal é, pois, o juiz supremo das causas. Voltemos a ler o que está acima. Como pondera o Codificador, o que é realmente nossa opinião individual? Apenas uma opinião, que pode estar certa ou equivocada. E, quando certa, está sujeita a um peso relativo e, quando equivocada, nenhum valor tem.

Deus não poderia, pois, colocar a verdade na cabeça frágil de um único ser humano. É exatamente na universalidade do ensino dos Espíritos que está o caráter essencial da Doutrina Espírita, sua força e sua autoridade, refletindo opinião geral, decorrente de lei e não de gostos, tendências ou preferências de um único ser humano ou de um grupo…

Por isso voltemos a estudar a Introdução de O Evangelho segundo o Espiritismo, para não perdermos tempo com tantas questões inúteis e que somente desviam do foco principal: nossa melhora moral.

Nota do Autor:
Utilizamos na transcrição a 365ª edição do IDE, tradução de Salvador Gentille.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s