A fé, a Esperança e a Caridade

caridade

“Ainda que eu fale todas as línguas dos homens, e mesmo a língua dos anjos, se eu não tiver caridade, sou apenas como o bronze que soa ou o címbalo que retine; e se eu tivesse o dom da profecia, e penetrasse em todos os mistérios, e tivesse uma perfeita ciência de todas as coisas, e ainda que eu tivesse toda a fé possível, até a de transportar montanhas, se eu não tiver caridade, nada sou.
E quando eu houvesse distribuído os meus bens para alimentar os pobres, e entregado meu corpo para ser queimado, se não tiver caridade, isso de nada me servirá.
A caridade é paciente, é terna e beneficente; a caridade não é invejosa, não é temerária nem precipitada; não se enche de orgulho, não é desdenhosa, não procura seus próprios interesses, não se vangloria nem se irrita com nada, não faz más suposições, não se alegra com a injustiça, mas sim com a verdade; ela tudo suporta, tudo crê, tudo espera e tudo sofre.
Agora estas três virtudes: a fé, a esperança e a caridade permanecem, mas entre elas a principal é a caridade.” (Paulo, 1ª Epístola aos Coríntios, Cap. XIII: 1 a 7 e 13.)

Essa é sem dúvida uma das mais belas passagens da Bíblia. A inspiração divina é evidente e incontestável.

O que terá levado o “Apóstolo Tardiu” a escrevê-la? O que o terá inspirado?

Uma leitura atenta vai revelar tratar-se de uma autoanálise. Foi por ele compartilhada porque é universal. As propostas são reflexões típicas de quem questiona os próprios sentimentos e atitudes, algo comum para quem já é detentor da consciência da missão maior que os seres criados por Deus têm: evoluir. E tratando especificamente dos seres dotados de consciência – nós, humanos – evoluir em todos os aspectos: o material e, principalmente, o espiritual.

Paulo em nenhum momento quis desprezar a fé, nem a esperança, nem qualquer outra virtude. Todas são importantes, são benéficas e merecem ser cultivadas. Mas ele percebeu que as virtudes para serem verdadeiramente úteis à nossa evolução necessitam do “sal” da caridade. Para ele, fé e esperança são virtudes incompletas e, como tais, isoladamente de nada servem. A fé e a esperança sem a caridade são virtudes inativas, são como corpos sem alma.

Comparativamente, a fé e a esperança seriam a semente e o solo fértil. Sozinhas, não dão condições para fazer nascer o vegetal que trará o alimento que todos necessitamos para viver. Falta a e a água – a água da caridade. A vida em nosso planeta só existe por causa da água. A água da caridade é o que dá vida e ação à fé e à esperança.

Jesus pede para semearmos o quanto pudermos, no entanto, Ele nos ensina a semear em solo fértil que oferece garantias de que a semente vai se desenvolver, fincar raízes profundas a fim de produzir em abundância. Fazer diferente equivale a atirar pérolas aos porcos, é desperdiçar recursos valiosos. Não foi à toa que Paulo de Tarso pôs as palavras e as ideias em gradação: fé, esperança e caridade – semente sã, solo fértil e água. Realmente, aquelas duas virtudes só atingem seus fins se a terceira se fizer presente.

Somente a caridade fará multiplicar as bênçãos que a misericórdia de Deus põe em nossas mãos, todos os dias. Se queremos mesmo ser multiplicadores das dádivas divinas, façamos como nos recomenda Jesus e como nos esclarece Paulo.

Se queremos uma fé equilibrada e operante, devemos levá-la a um ambiente em que poderá florescer, mas sem caridade, corre-se o risco de se desenvolver ações sem objetivos verdadeiramente nobres ou pode levar ao destrutivo fanatismo religioso.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s