Arquivo mensal: maio 2014

A boa solidão acautela o ser humano contra a vida solitária

Por Jorge Hessen

Pesquisa realizada por John Cacioppo, cientista e professor de psicologia da Universidade de Chicago, nos Estados Unidos, sugere que o isolamento impacta e acelera o extermínio “prematuro” do idoso solitário. Para Cacioppo há fatores de risco em face do sentimento de solidão, dentre os quais estão a interrupção frequente do sono, elevação da pressão arterial, aumento do cortisol (hormônio do estresse), alteração do sistema imunológico e aumento da depressão(1). Talvez realmente a solidão seja preocupante enfermidade dos dias de hoje.
As invenções tecnológicas, avançando em uma velocidade vertiginosa, propõem “democratizar” as relações sociais. Tais recursos vêm disponibilizando recursos sedutores, a saber: a TV digital, os smartphones com suas múltiplas funções, os vídeos e filmes de alta definição, os notebooks, os tablets, a internet, as redes sociais, os jogos eletrônicos virtuais; eis aí uma lista mínima do que a tecnologia tem proporcionado.
Há uma respectiva quebra da necessidade de se estar fisicamente “junto”, a fim de conversar, ampliar amizade, trocar emoções. Consegue-se através do aplicativo whatsapp, por exemplo, dialogar, trocar mensagens, vídeos, fotos, de qualquer lugar, horário e distância, conectando-se todos a tudo. Viabiliza-se resgatar amizades perdidas no tempo, reencontrar familiares que a distância afastou e refazer relacionamentos que se submergiram pelos caminhos. Entretanto, paradoxalmente, a tecnologia que nos cerca externamente pouco preenche interiormente. De tal modo que não será a tecnologia que nos afastará da “má solidão”, aliás, característica dos que não vivem valores da solidariedade, da compaixão, da fraternidade.
Vive-se hoje a estranha sensação de que não se está sozinho na multidão. Indivíduos cercados por pessoas em ônibus, metrôs, aviões, estádios, localidades de trabalho, avenidas, ruas. Contudo, nessa selva de pedras existem muitos sujeitos solitários. E quanto mais são cercados de gente, de barulho, de tarefas, mais se agrava a sensação de que estão sozinhos. Parece contraditório? Será a “maligna solidão” a ausência de companhia, de pessoas à volta de certos solitários? Consistiria em estar longe das civilizações?
Mas será que toda solidão é malfazeja? Notemos a rocha que sustenta a planície costuma viver isolada e o Sol que alimenta o mundo inteiro brilha sozinho. Lord Byron dizia que “na solidão é quando estamos menos só.” (2) Para certas horas a saudável solidão é para o espírito o que a dieta é para o corpo. Muitas vezes, para ouvirmos a voz sincera da consciência precisamos saber fazer silêncio em torno de nós e dentro de nós. Há momentos em que é imprescindível a busca da benéfica solidão para nos encontrarmos conosco, em um reencontro com a própria alma, de maneira tranquila e serena, sabendo que guardamos em nossa intimidade a chave para nossa ascensão espiritual. É nesses momentos de introspecção que conseguimos analisar atitudes, valores e sentimentos. Sob esse ponto de vista, a meiga solidão será oportuna companheira a ser buscada, para que possamos nos encontrar e nos conhecer.
Não esqueçamos que em nossa marcha rumo à luz imperecível cultivamos diálogos que dizem respeito somente a nós mesmos. Nada nos impede, pois, com regularidade, evadirmo-nos do mundo, buscando momentos de magna solidão, em que teremos apenas nós mesmos para viajar em torno da consciência, pois quando silencia o mundo à nossa volta conseguimos ouvir a voz da consciência e até mesmo escutar o nosso “EU” histórico. Serão esses espaços de abençoada solidão que nos consentirão reavaliar comportamentos para, nas próximas experiências, evitar que repitamos os mesmos desacertos, em análogas ocasiões. A sós, diariamente, alguns momentos para meditar a respeito do que fazemos, como fazemos, nos permitirá marchar por estradas íntimas e nos desvendar em profundidade.
Há quem use a prodigiosa solidão como tempo de inspiração, análise e programação. Quando fazemos silêncio exterior, damos vazão ao mundo interno, intenso e palpitante. Há tanta gente mergulhada em alaridos indigestos, dominada por conversas maledicentes ou pelo estrondo de risadas burlescas; há tanta gente rodeada de pessoas, mas com a alma amargurada, oprimida, oca. Lembremos que tudo tem o seu tempo determinado, conforme narra o Eclesiastes: “Há tempo de nascer e tempo de morrer; tempo de plantar, tempo de colher, tempo de chorar e tempo de sorrir; tempo de falar e tempo de silenciar também.”(3) Então, por que temer a santa solidão? Se a vida nos oferece a bondosa solidão, saibamos abrigá-la como um tesouro. Aproveitemos cada instante para meditações. Encaremos tudo e todas as circunstâncias como ensejo de aprendizado.
Obviamente Deus nos criou para viver em sociedade. Não nos ofereceu inutilmente a palavra e todas as outras faculdades necessárias à vida de relação humana. É natural que o “isolamento absoluto” seja contrário à lei da Natureza, até porque por instinto buscamos a sociedade e devemos concorrer para o progresso, auxiliando-nos mutuamente. Ora, completamente isolados, não dispomos de todas as faculdades. Falta-nos o contato com os outros de nós. No isolamento incondicional ficamos brutos e morremos (4). Por essas criteriosas razões é importante caracterizar as distintas solidões – aquela que significa fuga definitiva do convício social daquela outra que nos abastece a alma a fim de que jamais constemos no rol dos seres solitários.

Texto publicado na página do GEAE – Grupo Espírita Abrigo da Esperança.
Notas:
(1) Disponível em http://oglobo.globo.com/saude/solidao-aumenta-em-14-as-chances-de-idosos-morrerem-de-forma-prematura-11609030#ixzz2yAIPeewV acesso em 05/04/2014
(2) George Gordon Byron, comumente conhecido como Lord Byron; foi um escrito/poeta inglês do século XIX.
(3) Eclesiastes 3:1-8
(4) Kardec, Allan. O Livro dos Espíritos, questões 766,767 e 768, Rio de Janeiro: Ed FEB, 2000
Anúncios

A salvação segundo o espiritismo

Por José Edson F. Mendonça

O que nos espera depois desta vida? O que devemos fazer para garantir um  “bom lugar” após a morte? A salvação é ir para o Céu? É nos livrarmos do “fogo do Inferno”? Para isso, basta a Fé, ou são as obras que nos conduzirão ao Paraíso? É a conquista da “vida eterna”? Ou da “felicidade futura”? Afinal, em que consiste a salvação?

Apresentam-se aqui, muito sucintamente, esclarecimentos, à luz do Espiritismo, sobre o tema.

Allan Kardec – o insigne Codificador -, no memorável livro O Evangelho segundo o espiritismo, dedica todo o cap. XV – “Fora da caridade não há salvação”, à explicação detalhada do binômio: caridade x salvação; enfatiza em dez itens, um magnífico conteúdo que vale a pena estudar todo: “O de que precisa o espirito para se salvar. Parábola do Bom Samaritano. O Mandamento maior. Necessidade da Caridade, segundo Paulo, Fora da Igreja não há Salvação. Fora da verdade não há salvação. Instruções dos Espíritos: Fora da Caridade Não há salvação (Paulo, o apóstolo – Paris, 1860)”. Essa referida parte tem início com duas importantes transcrições dos Evangelhos: a primeira, de Mateus (25:31-46), que aborda a alegoria do juízo final e, a outra, de Lucas (10: 25 a 37), sobre a famosa parábola do bom samaritano. Allan Kardec sintetiza as duas passagens, dizendo quanto à primeira, que: “Ao lado da parte acessória ou figurada do quadro, há uma ideia dominante – a da felicidade reservada ao justo e da infelicidade que espera o mau”, e que, naquele julgamento supremo, o juiz não pergunta se o inquirido preencheu tal ou qual formalidade, se observou tal ou qual prática exterior. “Não! Inquire tão somente se a caridade foi praticada, e se pronuncia dizendo: Passai à direita vós que assististes os vossos irmãos; passai à esquerda, vós que fostes duros para com eles”. Sobre a maravilhosa parábola, Kardec comenta que “Jesus coloca o samaritano herético, mas que pratica o amor do próximo, acima do ortodoxo que falta com a caridade. Não considera a caridade apenas como uma das condições para a salvação, mas como a condição única”, visto que ela “implicitamente abrange todas as outras: a humildade, a brandura, a benevolência, a indulgência, a justiça, e porque é a negação absoluta do orgulho e do egoísmo” .

Finalmente, é importante observar a questão 982, de “O livro dos espíritos”, onde Kardec indaga e o Espírito de Verdade responde. “Será necessário que professemos o Espiritismo e creiamos nas manifestações espíritas, para termos assegurado a nossa sorte na vida futura?” “Se assim fosse, estariam deserdados todos os que nele não creem, ou que não tiveram ensejo de esclarecer-se, o que seria absurdo. Só o bem assegura a sorte futura. Ora, o bem é sempre o bem, qualquer que seja o caminho que a ele conduza”.

Portanto, pode-se concluir que fora da vivência legítima e sincera das virtudes em nosso íntimo, ou seja, fora dos verdadeiros sentimentos que nos impelem à prática da caridade ativa e desinteressada, fazendo o bem a todos, indistintamente, é que não há salvação.

Texto publicado no Jornal do Commercio, veiculado no dia 11/05/2014. O autor é membro do Instituto Espírita Gabriel Delanne.