Arquivo mensal: julho 2016

O Grande Doador

Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá; E todo aquele que vive, e crê em mim, nunca morrerá. Crês tu isto?
(João 11:25-26)

Ele não era médico e levantou paralíticos e restaurou leprosos, usando o divino poder do amor.

Não era advogado e elegeu-se o supremo defensor de todos os injustiçados do mundo.

Não possuía fazendas e estabeleceu novo reino na Terra.

Não improvisava festas e consolou os tristes e reergueu o bom ânimo das almas desesperadas.

Não era professor consagrado e fez se o Mestre da Evolução e do aprimoramento da Humanidade.

Não era Doutor da Lei e criou a universidade sublime do bem para todos os espíritos de boa vontade.

Padecendo amarguras – reconfortou a muitos.

Tolerando aflições – semeou a fé e a coragem.

Ferido – curou as chagas morais do povo.

Supliciado – expediu a mensagem do perdão e do amor, em todas as direções.

Esquecido pelos mais amados – ensinou a fraternidade e o reconhecimento.

Vencido na cruz – revelou a vitória da vida eterna, em plena e gloriosa ressurreição, renovando os destinos das nações e santificando o caminho dos povos.

Ele não era, portanto, rico e engrandeceu os celeiros dos séculos.

Quem oferecer, assim, o coração, em homenagem ao Divino Amor na Terra, poderá, desse modo, no exemplo de Jesus, embora anônimo, aflito, apagado ou crucificado, atender à santificada colaboração com Deus, a benefício da Humanidade.

Espírito: ANDRÉ LUIZ
Médium: Francisco Cândido Xavier
Livro: “Antologia Mediúnica do Natal” – Edição FEB
Anúncios

A conquista

Por Teresa Cristina Soares, Centro Espírita ‘O Codificador’

Saulo, Saulo, porque me persegues?

Foi preciso que Saulo perdesse a visão para poder enxergar, ouvir, encontrar e seguir os ensinamentos de Jesus; e quantos O conhecem, ouvem seus ensinamentos, mas, no entanto não O seguem! Preferem caminhar como cegos.

A conquista interior dependerá da visão espiritual (luz) que pretendemos dar a nossa vida, ou seja, o que realmente queremos enxergar, ouvir e seguir.

No plano espiritual assumimos compromissos e responsabilidades morais da qual desejamos; cabendo a nós a conquista e a vitória de suas realizações. Tudo fazendo para vencer evitar os fracassos, e adquirir forças para ultrapassar todos os obstáculos.

Na vida passamos por desencantos, cabe a nós, no entanto, conquistar a verdadeira felicidade, propondo-nos ao arrependimento das nossas faltas, para poder conquistar os verdadeiros sentimentos.

Conquistar é vencer, e é por isso que aqui estamos para vencer as nossas fraquezas reencarnatória, e isto não se dar facilmente, pois, grandes esforços serão necessários para a nossa transformação, porque ainda vivemos presos ao passado, e a ele nos habituamos e com ele ainda nos iludimos. E quando partimos para a luta do desprendimento e começamos a batalha do desejo de aprimorar nosso espírito, tentando levá-lo à elevação espiritual, voltamos a encontrar com mais intensidade os nossos vícios e fraquezas com mais frequência, sofrendo de novo as mesmas tentações.

Por isso se faz necessário conquistar trabalhos que faça despontar dentro de nós novos sentimentos e luz

Por isso se faz necessário conquistar trabalhos que faça despontar dentro de nós novos sentimentos e luz. E para que isso aconteça é necessário saber conquistar a solidão da meditação, para assim nos aprofundar na compreensão de nós mesmos, para podermos restabelecer o equilíbrio do nosso espírito, para agir e viver com serenidade; conquistando assim a nossa própria experiência no grande aprendizado da vida.

Tudo isso ocorre porque apenas conhecemos a superfície dos desígnios de Deus para conosco; e assim nos deixamos levar pelo fogo dos vícios e erros que escraviza, tornado-nos infelizes e insatisfeitos; aí é quando a nossa serenidade é roubada, assim como a paz.

Vivemos no mundo guiado pelos instintos. Nosso raciocínio é muitas vezes moroso, mas nada nos impede de sentir as consequências de nossas ações. porém, habituados a lutar para sobreviver, nos esquecemos de conquistar a evolução para o nosso espírito.

Que na estrada da vida possamos buscar a conquista, a vitória que nos leve ao caminho da evolução, da luz e do aprendizado; e que Deus possa ter compaixão, piedade e misericórdia de nós, assim como teve com Saulo, para que nós um dia possamos nos transformar em um Paulo.

Publicado no Jornal do Commercio de Pernambuco, 04 jul 2016.