Arquivo mensal: março 2020

A ignorância é um problema muito sério

capa

 

Brasileiros têm uma tendência a achar tudo engraçado. Qualquer assunto dá piada. Mas a ignorância pode causar sérios problemas, individual e coletivamente

Nosso país e nossa cultura acostumou-se a uma concepção de “liberdade” que se traduz num “vale-tudo” ou “tudo-pode”, principalmente na área da linguagem e na construção de ideias.

Gente despreparada (ou totalmente ignorante mesmo) vem se metendo em áreas totalmente desconhecidas e menosprezadas pela coletividade e, por ausência de interesse ou fiscalização, com auxílio da internet, essa situação vem se configurando como um campo livre para semear e reproduzir ignorância.

As consequências estão aí e a mais evidente delas é que o povo sem instrução e sem treinamento na habilidade de análise e reflexão autorizou a entrega do poder de todo um país nas mãos de gente inepta, ignorante e crédula (ver https://www.youtube.com/watch?v=AZYZspW42Y0). Essa gente é presa fácil para espertinhos e/ou psicóticos. O perigo é real.

No livro LTI – a Linguagem do Terceiro Reich, Victor Klemperer registrou durante todo o período do regime nazista até o sua queda como a ignorância coletiva foi primeiro capturada e depois cultivada e reproduzida pelo regime e como esse processo foi fundamental para envolver e seduzir o povo alemão com as ideias e princípios nazistas.

Uma amostra disso está nesse vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=8Z2drcASkgg. Assistam, é uma comédia lamentável.

Depois leiam o livro. Recomendo demais (resumos da obra: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/…/m…/article/view/15908 e também: http://www.scielo.br/pdf/pg/n15/a11n15.pdf ). A obra completa pode ser localizada para download pelo Google.

Pandemia e Ciência

Os riscos de uma pandemia são muitos. Um deles é termos na direção dos governos gente que não adquiriu ao longo da vida o hábito da reflexão e do estudo sério e metódico.

A ciência errando ainda é melhor que o acerto aleatório baseado no senso comum e na credulidade.

Porque quem toma decisões com base no acerto aleatório só registra o acerto. A ciência registra quando se erra e quando se acerta e aí se pode alcançar alguma análise razoável.

Por isso que aparece um líder mundial que não acredita em ciência mandando fabricar um remédio não testado para distribuir nos hospitais só porque funcionou com uma dezena de pacientes.

Aí vem o cientista para salvar a situação e dizer que: “Não é bem assim; não é assim que funciona a coisa; não sabemos se funciona mesmo. Não há dados suficientes para definir a segurança e a eficácia do tratamento.”

Pois é…

Sabemos quantos pacientes tomaram o milagroso remédio e ao invés de melhorar pioraram o quadro? Sabe-se quais eram as condições dos pacientes observados? Quais remédios de uso contínuo eles usavam? Quais os riscos e os efeitos colaterais dos medicamentos em teste?

Ciência é coisa muito chata. Só fica perguntando as coisas…

Ciência: ruim com ela, pior sem ela.