A porta larga do comodismo

No livro de Números, cap. 14, encontramos passagem muito instrutiva:

E todos os filhos de Israel murmuraram contra Moisés e contra Arão; e toda a congregação lhes disse: Quem dera tivéssemos morrido na terra do Egito! ou, mesmo neste deserto!
E por que o Senhor nos traz a esta terra, para cairmos à espada, e para que nossas mulheres e nossas crianças sejam por presa? Não nos seria melhor voltarmos ao Egito?
E diziam uns aos outros: Constituamos um líder, e voltemos ao Egito.

O povo hebreu, escravizado no Egito, sonhava com a liberdade, clamava por ela. Surgida a oportunidade da conquista, nas primeiras dificuldades, passam a murmurar e admitir o retorno ao Egito, o que se significava voltar à condição de escravo.

Esse comportamento é atávico. Todos querem e sonham com a liberdade e o poder que daí advém. No entanto, tudo tem um preço, não há bônus sem o corresponde ônus. Ser livre implica em ter que lutar todos os dias pela manutenção da autonomia, de obter e conquistar tudo o que garante essa liberdade. Essa característica de abandonar a luta diante das primeiras dificuldades é muito comum e recorrente. Querer usufruir de algo que se considera bom e benéfico é comum e recorrente, mas ter que assumir a responsabilidade correspondente, aí já começa a complicar.

Muitos, por isso, acabam por aceitar a porta larga das soluções fáceis e instantâneas, inclusive o retorno à escravidão. A liberdade e o livre-arbítrio são coisas difíceis de se conquistar e lidar, é preciso esforço para conquistá-la e todos os dias reiniciar a luta pela sua manutenção e pelo constante aprendizado no bom uso dessas faculdades. As dificuldades da luta fazem muitos desistirem e, como na passagem bíblica, até cogitar em se submeter à escravidão que antes era abominada, nas suas variadas formas.

Todos queremos ser livres. Porém, estamos dispostos a lutar por merecer?

 

 

Anúncios

A Paz

paz

Por Luis Guimarães Gomes de Sá

Centro Espírita Caminhando Para Jesus

A princípio o que seria a paz? Como podermos senti-la? Entendemos que a paz é o estado de Espírito que nos conforta dando-se segurança e tranquilidade em nossas vidas. E como obtermos essa almejada paz? Como proceder? Devemos manter nossa consciência livre de questionamentos e recriminações.

Para tal precisamos burilar nossos pensamentos e atitudes, que servidão de balizamento para atingirmos esse estado mental decorrente, também do cultivo de energias positivas e edificantes através da prática do bem. Esse processo não deixa de ser um desafio que devemos enfrentar e vencer.

A perseverança é fundamental para alcançarmos esse desiderato. Acolhendo e incorporando na prática diária os ensinamentos de Jesus estaremos sedimentando esse hábito salutar em nossas vidas.

A Doutrina Espírita explica que somos influenciados pelos Espíritos em nossos pensamentos e consequentes atitudes. Em todo lugar estão aqueles que procuram nos prejudicar e os que querem nos ajudar. Nossa preferência será responsável pela colheita que faremos adiante da “semente” semeada…

Isto posto, existe a necessidade  permanente da “vigilância”, que nos resguardará daquelas investidas nefastas para nossas vidas corpóreas e espirituais. No livro Qualidade na Prática Mediúnica, Projeto Manoel Philomeno de Miranda, Cap. Sintonia, item 32, temos: “(…) Campo descuidado, vitória do matagal. Águas sem movimento, charco em triunfo”.

Essa realidade é inconteste no âmbito da vida material. E por que não existiria no mundo espiritual, considerando que o Espírito é a nossa verdadeira identidade? É importante termos a consciência de que nossas energias são direcionadas para o “infinito”, ocorrendo intensa e constante conexão com as demais que lá estão.

A percepção mais acurada do intercâmbio que temos com o mundo espiritual, além das comprovações científicas largamente difundidas, oportuniza-nos a convicção de que somos energia que se espraia no Universo com frequência vibratória compatível com o nosso grau evolutivo.

Vejamos também citação o livro Energia e Espírito, de José Lacerda de Azevedo, p. 7: “(…) Um Espírito bem evoluído tem, necessariamente, uma frequência vibratória de alto valor, o que facilita seu avanço a grandes distâncias espaciais com pequeno acréscimo de ergia…”. O corpo físico e o Espírito formam um binômio energético que interage entre si e o meio exterior.

Fonte:Jornal do Commercio, 12 de junho de 2017, Cidades, p. 7

 

Quid est Veritas?

A pergunta que Pilatos fez a Jesus, título deste post, ressoa pelos séculos e continuamos a questionar: que é a Verdade? Vivemos num mundo de muitas verdades, muitas com pretensões de absolutas. No campo das crenças religiosas, poucas assumem sua parcialidade, seu limite e sua relatividade.

Esse modo peculiar de tratar a verdade se repete no campo individual. Temos a tendência de defender um ponto de vista, “a velha opinião formada sobre tudo” – diria o poeta -, como sendo a medida exata e única que explica com exclusão de quaisquer outros pontos de vista, a verdade sobre os fatos, sobre os comportamentos, enfim: sobre tudo! E a imprensa tem exercido um papel relevante e preocupante nesse processo, tendo em vista que o tratamento da informação se faz, por ela, predominantemente se utilizando deste modo peculiar de tratar “a verdade”.

A filosofia, ramo importantíssimo do pensar e do conhecimento humano, ameaçado de ser expulso do currículo das escolas, nos oferece oportunidade de pensar – e repensar – sobre o tema que instigava Pôncio Pilatos há dois mil anos. Afinal que é a verdade? Jesus, na ocasião, ficou em silêncio. Alguns poderão imaginar que Ele preferiu não dar uma resposta. Mas o Seu silêncio foi A Resposta.

Sobre o tema e sua vertente mais atual e moderna, a pós-verdade, recomendamos muitíssimo a leitura deste artigo de Marcos de Aguiar Vilas-Bôas, cujo trecho que mais se destaca, em nosso opinião, é o seguinte:

Se há alguma verdade, ela não é deste plano. No nível de consciência atual do ser humano, ele apenas pode apreender perspectivas limitadas dos fenômenos e objetos. A verdade, aquela compreendida como a correspondência entre o fato em linguagem e o evento, entre aquilo que se diz e aquilo que se tem na realidade, não existe na Terra. Se não há essa correspondência, pois há apenas padrões sociais (ex. cultura) e naturais (ex. os sentido humanos) que delineiam a comunicação, não há verdade tal qual concebida ao longo da história humana.

Também não há verdade relativa, normalmente compreendida como aquela que surge na comunicação (verdade por consenso), pois também não há correspondência entre o fato pensado em linguagem por uma pessoa e o pensado por outra. Cada qual molda a sua realidade de uma forma, ainda que submetida por eventos objetivos em si, mas sempre sujeitos à subjetividade de cada ser humano, por mais simples que sejam os eventos.

Para o artigo completo, acesse: Pós-verdade: o conceito político da moda é equivocado

Boa leitura!